segunda-feira, fevereiro 28

Filme do Desassossego

A partir de "Livro do Desassossego", de Bernardo Soares
Argumento e realização de João Botelho
Teatro Carlos Alberto
De 3 a 12 de Março
21h30 | M/12 anos
Duração: 1h30

A vida num ecrã

Na sociedade actual...

video
[via Sara Ferreira]

Momentos de poesia

BEIJOS

         Monólogo

«Beijar!», linda palavra!... Um verbo regular
que é muito irregular
nos tempos e nos modos…

conheço tanto beijo e tão diferentes todos!...

um beijo pode ser amor ou amizade
ou mera cortesia,
e muita vez até, dizê-lo é crueldade,
é só hipocrisia.

O doce beijo de mãe
É o mais nobre dos beijos,
Não é beijo de desejos,
Valor maior ele tem:
É o beijo cuja fragrância
Nos faz secar na infância
Muita lágrima… feliz;
Na vida esse beijo puro
É o refúgio seguro
Onde é feliz o infeliz.

Entre as damas o beijo é praxe estabelecida,
Cumprimento banal – ridículos da vida! - :

(Imitando o encontro de duas senhoras na rua)
- Como passou, está bem? (Um beijo.) O seu marido?
(Mais beijos.) – de saúde. E o seu, Dona Mafalda?
- Agora, menos mal. Faz um calor que escalda,
não acha? – Ai, Jesus!, que tempo aborrecido!...

beijos dados assim, já um poeta o disse,
beijos perdidos são.
(Perder beijos!, que tolice!
Porque é que a mim os não dão?)

O osculum pacis dos cardeais
É outro beijo de civilidade;
Beijos paternos ou fraternais
São castos beijos, só amizade.

As flores também se beijam
Em beijos incandescidos,
Muito embora se não vejam
Os ternos beijos das flores.

Há outros beijos perdidos:
Aqui mesmo,
Há aqueles que os actores
Dão a esmo,
Dão a esmo e a granel…
Porque lhes marca o papel.

- Mas o beijo d’amor?
Sossegue o espectador,
Não fica no tinteiro;
Guardei-o para o fim por ser o «verdadeiro».

Com ele agora arremeto
E como é o principal,
Vai apanhar um soneto
Magistral:

Um beijo d’amor é delicioso instante
Que vale muito mais do que um milhão de vidas,
É bálsamo que sara as mais cruéis feridas,
É turbilhão de fogo, é espasmo delirante!

Não é um beijo puro. É beijo estenteante,
Pecado que abre o céu às almas doloridas.
Ah! Como é bom pecar com bocas confundidas
Num desejo brutal de carne palpitante!

Os lábios sensuais de uma mulher amada
Dão vida e dão calor. É vida desgraçada
A do feliz que nunca um beijo neles deu;

É vida venturosa a vida de tortura
Daquele que coa boca unida à boca impura
Da sua amante querida, amou, penou, morreu.

(Pausa – Mudando de tom)

Desejava terminar
A beijar a minha amada
Mas como não tenho amada,

(A uma espectadora)

Vossência é que vai pagar…
Não se zangue a sua face
Consinte que eu vá beijar…
……………(atira-lhe um beijo)
um beijo pede e dá-se,
não vale a pena corar…

Mário de Sá-Carneiro, Obra Poética


BEIJOS, dito por António Cardoso Pinto

quinta-feira, fevereiro 24

Com imaginação e um capacete...

Associando o tema "Pintar o cérebro", mote da Semana do Cérebro (14 a 20 de março), à protecção do cérebro do adolescente, este concurso, destinado aos alunos do 9º ao 12º anos, consiste em decorar um capacete, inventar um slogan e descrever o projecto de acordo com o tema Protege o teu cérebro.
As inscrições terminam a 20 de Março.
Concurso Protege o teu cérebro!

Conferência


terça-feira, fevereiro 22

Prémio Autores 2011 SPA/RTP

Com A CONTRADIÇÃO HUMANA, Afonso Cruz ganhou, ontem, o Prémio SPA - Autores 2011 na categoria de Melhor Livro de Literatura Infanto-juvenil 2010.
Este jovem autor, ilustrador, cineasta e músico já recebeu, em 2009, com Os Livros Que Devoraram o Meu Pai, o prémio Maria Rosa Colaço 2009 para Literatura juvenil.

Em Abril, é o escritor António Mota

O que queres perguntar ao escritor?
No âmbito da iniciativa "Conheço um escritor", promovida pela VISÃO Júnior, em parceria com o PNL e a RBE, António Mota responderá a todas as tuas perguntas na edição de Abril da Visão Júnior.
Sabe como participar.

"O cartaz da minha escola"

Subordinado aos temas centrais da leitura, da energia e da floresta, o concurso dirige-se aos alunos do ensino básico e do secundário.
As inscrições devem ser realizadas electronicamente, através da página PNL, até 28 de Fevereiro e o cartaz elaborado deve ser enviado entre os dias 25 e 31 de Maio.
Promovido pelo Plano Nacional de Leitura, em parceria com a Sociedade Portuguesa de Ciências Florestais e o Colégio Florestal da Ordem dos Engenheiros, o concurso "O cartaz da minha escola" enquadra-se na 5.ª edição da Semana da Leitura e na comemoração do Ano Internacional da Floresta - 2011.
Para saber+, consultar o regulamento.

No Constantino Nery

Para maiores de 12 anos, a Missa do Galo é uma cantata pop com banda ao vivo, de Carlos Tê e Manuel Paulo, com encenação de Luisa Pinto e interpretação de António Durães, Isabel Carvalho, Elisa Rodrigues, Flora Miranda, Inês Sousa, João Mota e Rui David.
Reservas: 22 939 23 20
Não é permitida a entrada na sala depois do início do espectáculo.



domingo, fevereiro 20

Dia Internacional da Língua Materna



O Dia Internacional da Língua Materna celebra-se a 21 de fevereiro.
Proclamado pela Conferência Geral da UNESCO em Novembro de 1999, o Dia Internacional da Língua Materna comemora-se desde fevereiro de 2000 com o objetivo de promover a diversidade linguística e cultural e o plurilinguismo.
Este ano, a UNESCO organiza, na sua sede em Paris, uma conferência internacional, tendo por tema as línguas e o ciberespaço.
Estimam-se em quase 6000 as línguas faladas no mundo, mas cerca de metade está à beira da extinção. Com maior probabilidade de idiomas em extinção encontram-se a Índia, os Estados Unidos, o Brasil, a Indonésia e o México, apesar de países com uma enorme diversidade linguística. Neste contexto, a UNESCO propõe que a Internet contribua para a recuperação das línguas ameaçadas.
Assinale-se que o Português não faz parte deste conjunto, dado que se crê ocupar a 6.ª posição na lista dos idiomas mais falados no mundo.


sábado, fevereiro 19

Concurso Nacional de Leitura - 2ª fase

A segunda fase do Concurso Nacional de Leitura (Fase Distrital) terá lugar no auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto.
A prova escrita realizar-se-á, às 14h00, no dia 26 de Abril e a oral no dia 2 de Maio.

3º Ciclo:













Ensino Secundário:

sexta-feira, fevereiro 18

A não perder...

À conversa com...

Para finalizar as Comemorações do Centenário do Nascimento de Augusto Gomes, a Autarquia de Matosinhos convida todos os interessados a assistirem "À Conversa com… Manuel Dias da Fonseca, Alfredo Barros, José Manuel Dias da Fonseca e Fernando Rocha
Os três antigos Vereadores da Cultura da Autarquia, de personalidades distintas que conviveram com o Mestre e/ou com a sua Obra, conversam com Fernando Rocha, actual Vereador desse Pelouro, em torno de Augusto Gomes, enquanto Matosinhense, Artista e Professor.
Esta iniciativa de encerramento decorrerá no Museu da Quinta de Santiago, no Auditório do Espaço Irene Vilar, no dia 19 de Fevereiro, pelas 16h30.

quarta-feira, fevereiro 16

Campanha pelo silêncio

Autor do cartaz: João Viana
Respeite as regras universais de bom senso numa BE. Antes de entrar na BiblioZarco, desligue o telemóvel.
Todos ficamos a ganhar!

terça-feira, fevereiro 15

Escritor até ao fim.

[Thanks to Gaurav Monga]

Teatro da Garagem no TECA

Teatro Carlos Alberto
Rua das Oliveiras, 43 - Porto
25 e 26 fev. 21h30 | Domingo, 27 16h00
M/ 12
Informações e reservas: 800 10 86 75 | 22 340 19 10

A não perder

Para mais informações e reservas, contacte a BiblioZarco.

Lançamento do livro

Fomos ao Teatro

Apesar da chuva e do frio, apreciem o entusiasmo, a alegria, a satisfação, o prazer dos alunos do 9º ano da Gonçalves Zarco, depois de terem assistido, no Grande Auditório do Teatro Campo Alegre, à peça Auto da Barca do Inferno, uma produção da Cultural Kids com encenação do saudoso António Feio.
Esta peça incluiu uma visita virtual ao mundo do teatro integrada no próprio espectáculo, "conduzida" por Gil Vicente (actor André Louro) e pelo seu descendente, Luís Vicente (Paulo Pinto).

segunda-feira, fevereiro 14

"Retratar um livro"

Com este Prémio de Fotografia, a Fundação José Saramago desafia os fotógrafos, de qualquer idade, profissionais ou amadores, a retratar as personagens, os espaços, o ambiente do livro Nome de Guerra, de Almada Negreiros, expressando "em fotografias, o espírito do livro, o alento que o anima, a respiração que o mantém."


domingo, fevereiro 13

Para o Dia dos Namorados

Para o Dia dos Namorados

Para o Dia dos Namorados

Para o DIA dos NAMORADOS


[via RBEP]

Para o Dia dos Namorados

GRAMÁTICA SENTIMENTAL DO CORAÇÃO

Coração - Substantivo masculino, recorte à esquerda do meu peito, a alma picotada, de luto carregado ou amores de incenso. Não, órgão oco e musculoso não. Vazio de fé, por vezes. A fazer-se forte, às tantas. Mas num intenso pulsar, sempre. Ora sepultando existências na cova funda dos anos, ora tricotando a vida que acontece enquanto penso o que fazer dela. Sensibilidade moral, sim, mas consciência da carne, quando fere. Coragem, ânimo e a forma tenrinha de te amar, a paixão sem osso, a roer-nos. Valor, carácter, saber que à boca não há-de ir para a piedade que o corpo grita. Abrir o coração, semear palavras, lavrar toda a extensão do corpo e ter a certeza de um verso na volta, a poesia em flor.
Sentimentos com lealdade para sossego dos sentidos enquanto a inquietação preenche o lugar de não estares aqui. O coração caído aos pés, estilhaços de ilusões; as utopias trituradas, o esfrangalhar do ser na lâmina, à espera de ressuscitar no campo da batalha da consciência. Falar ao coração, comovê-lo. A ver se ele se importa. Dar-lhe colo, algemar o pensamento a rascunhos de mimo e desenhar, então o essencial que os olhos não alcançam. Fazer das tripas coração, o sangue a espirrar um estoicismo que não se resigna, a fibra de um rosto de papel, a cara à luta na ventania dos dias do avesso. Ter o coração ao pé da boca, mas entalar a raiva entre o bom senso dos teus lábios. Então, dar asas às palavras que escrevo no livro de horas que cabe na tua mão. Pedir-te que a feches. Pedir-te que me guardes, coração.

Miguel Bruno Martins Carvalho
Textos de Amor: Museu Nacional da Imprensa, p.126
Quidnovi, fev. 2011

Para o Dia dos Namorados

     14 de Fevereiro

Queria ter estado junto a ti hoje.
Os meus lábios andaram em fogo todo o dia
e fugiam para o teu nome
quando lhes soprava a aragem da poesia
Já não me reconheço
Não percebo quase nada do que digo
nem sei em que língua me disperso
As palavras saem-me da boca, todas
de mão dada
contigo
mas engulo o teu nome
sempre que mergulho num verso

Mário Rui Simões Lopes
Textos de Amor: Museu Nacional da Imprensa, p. 60
Quidnovi, fev. 2011


Para o Dia dos Namorados

          Deixa-me falar-te de amor

Nesta era em que tudo é fabricado, em que nada é natural, em que nada é puro; em que os primeiros beijos se trocam por telemóvel, se fala por sms e os ditos "encontros românticos" acontecem no cinema, entre um balde de pipocas e um copo de coca-cola, nesta era, que já não é minha, já não é tua, já nem é nossa; deixa-me falar-te de amor.
Não quero falar deste "amor" novo, feito de "roda-bota-fora", que nasce podre e é vazio. Não te quero falar do amor para passar tempo, que se joga na Internet; nem daquele que se conhece num bar ou numa discoteca.
Não: deixa-me falar-te de amor como o conheço, da mesma forma lamechas e (hoje) tão fora de moda; a mesma que te ensinaram os teus pais ou os teus avós; como era antigamente, quando passeavam junto ao rio, por vezes de mãos dadas, e coravam ainda, se encontravam alguma cara conhecida.
Deixa-me falar-te do amor que me ensinaste.
O amor que me ensinaste começou por um acaso, porque, por acaso, eu estava sozinha e tu também. O amor que me ensinaste não foi cozinhado nem confeccionado a propósito.
No nosso amor, tu dás-me a mão e eu coro; convidas-me para sair e eu hesito; brincas com os meus caracóis e eu gosto; bebemos chá e ficamos ébrios; passeamos à beira-rio e pode ser que nos beijemos.
No nosso amor, não somos só amantes, mas somos cúmplices. E companheiros. Olhas para mim e lês-me nas entrelinhas. Olho para ti e sei-te de cor. Sorrio e mergulhas nesse sorriso. Abraças-me e absorves-me inteira. Dizes-me "amo-te" e eu acredito.
O amor que me ensinaste é puro, é natural, é biológico, sem corantes nem conservantes.
Mas deixa-me contar-te um segredo: nesta era, que já não é minha, já não é tua, já nem é nossa; o nosso amor, ainda encanta!

Ana Rita da Silva Freitas Rocha
Textos de Amor : Museu Nacional da Imprensa, p.54
Quidnovi, fev. 2011

Lançamento do livro VERA UMA VEZ

No próximo dia 26 de fevereiro, pelas 15h00, na Sala de Sessões Públicas da Câmara Municipal de Matosinhos, terá lugar o lançamento do livro VERA UMA VEZ : a história da menina peixe, da autoria de Vera Beleza.
Portadora de ictiose (uma doença rara) e antiga aluna da Escola Secundária João Gonçalves Zarco, Vera Beleza é a presidente da Aspori.
Contamos com a sua presença.

sábado, fevereiro 12

O Amor está na Net!?

Explorando museus de arte do mundo

Através de Art Project, da Google, poderás fazer uma visita virtual a 17 dos maiores museus de arte do mundo.
Começa por visitar gratuitamente o MoMa, em Nova York.
[via Blogue RBE]

Os Jovens e o voluntariado

Quem beneficia com o trabalho desenvolvido pelos jovens em regime de voluntariado? Apenas aqueles que são alvo de ajuda? Ou os próprios jovens também? Que consequências pode esse trabalho trazer para as suas vidas?
O voluntariado consiste no desenvolvimento de actividades de participação cívica, por vontade própria e de uma forma organizada, para ajudar a resolver problemas de grupos sociais ou até da sociedade em geral. O combate à pobreza e a luta pela inclusão social são causas visadas por muitas dessas actividades. Procura-se, assim, contribuir para uma sociedade mais justa e mais solidária.
É inquestionável que o trabalho voluntário, juvenil ou não, contribui para gerar benefícios sociais. Muitas instituições e muitos cidadãos/grupos o têm sentido no seu quotidiano.
Encontramos voluntários ajudando doentes ou os seus acompanhantes nos hospitais, colaborando em diversos peditórios nacionais (Banco Alimentar Contra a Fome, Liga Portuguesa Contra o Cancro, etc.), participando na reconstrução de zonas atingidas por catástrofes, fazendo parte de corporações de bombeiros, só para adiantar alguns exemplos de contextos onde eles intervêm.
O desempenho de actividades de voluntariado implica a adesão a uma causa social e promove o enriquecimento pessoal, contribuindo para o desenvolvimento de muitas competências. Sentido de responsabilidade, espírito de colaboração, relacionamento interpessoal, competências de comunicação, capacidade de analisar problemas e de encontrar estratégias de resolução, capacidade de liderança são alguns dos aspectos em que podem ser esperadas melhorias. Aprende-se a seleccionar e utilizar melhor os recursos disponíveis. Pratica-se e desenvolve-se o altruísmo e a solidariedade. Adquire-se uma maior consciência social e percebe-se que se pode ter um importante papel activo na sociedade. A consciência de ser útil e de contribuir para a melhoria social traz felicidade pessoal e desenvolve a auto-estima. No exercício do voluntariado, conhecem-se pessoas, adquirem-se conhecimentos, encontram-se novos caminhos e novas oportunidades.
O crescimento pessoal implicado pelo desempenho de trabalho de voluntariado é atestado pelo reconhecimento da sua importância pelas entidades patronais, que cada vez mais o valorizam nos currículos dos candidatos a emprego.
Muitas instituições ligadas à juventude apoiam, organizam e/ou promovem actividades de voluntariado. Entre elas contam-se as universidades, como, por exemplo:
Na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o programa de voluntariado corresponde mesmo a uma cadeira da área de Formação Cultural, Social e Ética, decorrente da reestruturação resultante do Tratado de Bolonha.
Na Internet, algumas páginas promovem o voluntariado junto dos jovens em geral e não apenas junto de estudantes. Entre elas contam-se as seguintes:
Em tempos conheci um professor universitário e treinador desportivo de um país do Norte da Europa que tinha como princípio educativo para os seus filhos a prática de uma actividade de voluntariado escolhida por cada um deles. Desconheço se esse princípio era comum aos seus conterrâneos. Sei que não o é em Portugal. No entanto, cada vez mais jovens o põem em prática.
Quem semeia colhe. Por isso, dessa colheita beneficiarão eles e beneficiará o país.

Armanda Zenhas * 
2011-02-09


* Mestre em Educação, área de especialização em Formação Psicológica de Professores, pela Universidade do Minho. É licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, nas variantes de Estudos Portugueses e Ingleses e de Estudos Ingleses e Alemães, e concluiu o curso do Magistério Primário (Porto). É PQA do grupo 220 na Escola EB 2,3 de Leça da Palmeira e autora de livros na área da educação. É também mãe de dois filhos.
[Retirado de Educare.pt - O Portal da Educação]

sexta-feira, fevereiro 11

Thomas Edison (1847-1931)

Para assinalar o 164º aniversário do nascimento de Thomas Edison, o inventor da luz eléctrica, a Google criou este doodle.

Thomas Alva Edison foi o mais prolífero inventor na história americana. Nasceu precisamente há 164 anos, a 11 de Fevereiro de 1847, em Lilan, Ohio, nos Estados Unidos da América.
Registou 1093 patentes em diversos campos desde a luz eléctrica às telecomunicações, som, filmes, baterias, etc. O seu papel como inventor foi evidente tanto nos seus laboratórios de Menio Park e West Orange, em New Jersey, como também nas mais de 300 companhias criadas em todo o Mundo, muitas delas ostentando o seu nome, para fabricar e comercializar as suas invenções.
Sendo o mais novo de sete irmãos, começou a trabalhar, em 1859, vendendo jornais e revistas. Mas, em 1962, como sabia o suficiente de telegrafia conseguiu arranjar um emprego como operador numa companhia local.
Em 1868 era já um inventor independente em Boston. No ano seguinte rumou a Nova Iorque onde produziu trabalho inventivo para companhias de telégrafo. Atravessou o Hudson para se fixar em Newark (hoje cidade de forte presença portuguesa) onde criou várias companhias. Pertencia já ao ranking restrito de grandes inventores quando criou o telégrafo quadruplex que enviava duas mensagens simultâneas em cada direcção.
Em 1875 a observação dos instrumentos telegráficos trouxe-o para uma controvérsia pública científica em volta do que mais tarde seria entendido como ondas radiofónicas. Pressionado pela Western Union para desenvolver um telefone que pudesse competir com o de Graham Bell, inventou um transmissor no qual um botão de carbono comprimido mudava a resistência enquanto era vibrado pelo som da voz do utilizador, um princípio novo usado nos telefones do século seguinte. Enquanto trabalhava neste telefone descobriu um método de gravar sons.
Finalmente, a partir do fim de 1878 passou 30 meses a desenvolver um sistema completo de luz eléctrica incandescente.
[via CiênciaHoje, adapt.]
Saber+

quinta-feira, fevereiro 10

Censos vão às Escolas

Obter mais informações

"Escola da Energia" 2010-2011

Desenvolvido no âmbito do programa Eco-Escolas, o projecto "Escola da Energia" é uma iniciativa da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) e da Fundação Galp Energia, dirigida a alunos de todos os níveis de ensino.
A edição 2010/2011 apresenta um conjunto diversificado de actividades e concursos subordinados aos temas da eficiência energética, mobilidade sustentável e alterações climáticas.
Inscrições até 18 de fevereiro.
Participa!
[via Newsletter da DREA]

quarta-feira, fevereiro 9

Campanha pelo silêncio


Autor do cartaz: João Viana
  • Respeite as regras universais de bom senso numa BE. Fale o menos possível e em voz baixa.
  • Quem estuda merece a cortesia do silêncio.
  • O silêncio favorece o estudo, a concentração, a leitura e a reflexão.
  • A BIBLIOZARCO é um lugar agradável para a leitura.
  • Faça silêncio. Todos ficamos a ganhar!

terça-feira, fevereiro 8

Exames? Sem stress...

Inscrições limitadas. Gratuito
Inscreve-te na Casa da Juventude de Matosinhos ou através do e-mail  matosinhos.casa@gmail.com

Madrid: Capital Mundial da Arte

[via pportodosmuseus.pt ]

Música em Matosinhos

Afinal a entrada é gratuita!

Júlio Verne (1828-1905)

Para assinalar o 183º aniversário do nascimento do escritor francês, Júlio Verne, a Google Portugal criou este doodle.

Cinco regras básicas de segurança

A Internet faz actualmente parte do quotidiano. Seja para trabalhar, estudar ou para lazer, muitos portugueses acedem diariamente a esta fonte de informação e comunicação. Dada a sua generalização é comum esquecermo-nos dos riscos existentes neste mundo virtual, sobretudo para os mais novos.
Cada vez mais cedo, crianças e adolescentes desenvolvem actividades "virtuais" de constante ligação à Internet. Situação que se traduz nos contactos e perfis que têm nas redes sociais, blogues, programas de instant messaging, entre outros. Não podemos esquecer, porém, que a Internet é uma fonte de oportunidades para estes jovens pesquisarem e acederem facilmente a informações fundamentais para a sua aprendizagem, comunicar com o mundo e desenvolverem a sua criatividade.
É responsabilidade de todos nós garantir que este acesso seja feito com a maior segurança, tentando evitar que fiquem expostos a predadores virtuais, esquemas de engenharia social, vírus ou qualquer outra ameaça existente online porque, embora fundamental, a Internet é um mundo cheio de riscos.
Sendo uma empresa que actua na área da inovação tecnológica e na disponibilização de software e serviços online, a Microsoft Portugal está consciente que a utilização destas ferramentas necessita de orientação e informação constantes, tanto para jovens como para adultos.
Com estas premissas por base, a Microsoft participa activamente no Dia da Internet Segura, uma iniciativa da Comissão Europeia e do INSAFE, uma rede de organizações nacionais que coordenam projectos de sensibilização para a segurança da Internet em toda a Europa. Neste dia deverão ser promovidas acções junto da comunidade educativa, em especial crianças e jovens, para uma utilização mais segura e responsável da Internet e do computador.
 
As 5 regras básicas de Segurança
(para Crianças e Jovens utilizarem a Internet)
• Usar o e-mail
  "Protejo o computador. Só abro e-mails de pessoas que conheço. Se duvido da origem da mensagem de correio electrónico apago-a de imediato sem executar qualquer ficheiro ou anexo que conste da mesma."
• Jogar na Internet
   "Protejo as informações pessoais. Não revelo a minha senha a ninguém."
• Conversar na Internet
  "Comunico em segurança. Não dou o meu nome ou a morada a pessoas que não conheço na Internet."
• Pesquisar na Internet
  "Respeito os outros. Quando retiro informação da Internet indico sempre o autor e o sítio onde a encontrei."
• Participar num Blogue
   "Navego em segurança. Falo sempre com os meus pais se encontrar uma imagem ou uma mensagem que me incomode."

Mais informações sobre este tema na página do Insafe, a rede para a promoção da segurança na Internet da União Europeia.
 
Fonte: millenniumbcp.pt e Microsoft


 

domingo, fevereiro 6

Música de intervenção ou canção de protesto?

Depois da recente e polémica apresentação, nos Coliseus do Porto e de Lisboa, de "Que parva que eu sou" do grupo Deolinda, a palavra, como veículo privilegiado de expressar a vontade de uma geração, renasceu.


Eis a letra (as palavras), origem da polémica:

Sou da geração sem remuneração
e não me incomoda esta condição.
Que parva que eu sou!
Porque isto está mal e vai continuar,
já é uma sorte eu poder estagiar.

Que parva que eu sou!
E fico a pensar,
que mundo tão parvo
onde para ser escravo é preciso estudar.
Sou da geração "casinha dos pais",
se já tenho tudo, pra quê querer mais?
Que parva que eu sou!
Filhos, marido, estou sempre a adiar
e ainda me falta o carro pagar,
Que parva que eu sou!
E fico a pensar
que mundo tão parvo
onde para ser escravo é preciso estudar.
Sou da geração "vou queixar-me pra quê?"
Há alguém bem pior do que eu na TV.
Que parva que eu sou!
Sou da geração "eu já não posso mais!"
que esta situação dura há tempo demais
E parva não sou!
E fico a pensar,
que mundo tão parvo
onde para ser escravo é preciso estudar.

Para Saber+
Dos Deolinda a Zeca Afonso - Breve história das canções de protesto
[via Blitz]

De 23 a 26 de fevereiro



Acompanhe Correntes d’Escritas no portal da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim

Feliz aniversário, Facebookii


Na passada sexta-feira, a rede social FACEBOOK festejou o seu sétimo aniversário. Foi a 4 de fevereiro de 2004 que Mark Zuckerberg, estudante de Ciência Informática na Universidade de Harvard, colocou online um sítio criado em parceria com os seus colegas Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes.
O sítio, que começou por ser uma rede social exclusiva para os estudantes de Harvard, rapidamente ultrapassou as fronteiras da universidade e conta atualmente com mais de 600 milhões de utilizadores. 
Nos dias de hoje, o Facebook é, a par da Google, uma das empresas mais importantes da Web, o que levou mesmo o seu criador a ser considerado pela revista Time como a personalidade do ano em 2010.
Enquanto, nos tribunais americanos, corre um processo polémico em torno do nascimento do Facebook, escuta a Dança do Facebookii, (Parabéns Facebook Popular Mix, by joecoimbra) emitido pelo programa Café da Manhã da RFM.
[via Jornal Sol, adapt.]

Entrada de Artistas 8.8

É um espetáculo baseado em textos escritos pelos alunos finalistas do Curso Superior de Teatro da ESAP.
Os textos partiram de frases dadas pelo encenador como ponto de partida para uma dramaturgia na qual se privilegia o passar do tempo.
Um grupo de atores chega às portas de uma sala de espetáculo e não pode entrar. Enquanto esperam, ensaiam e repetem frases retiradas das suas falas, aquelas que deverão mais tarde debitar em cena.
O passar do tempo obriga-os a comer, a dormir e a realizar gestos e movimentos quotidianos. O tempo é, sem dúvida, o argumento, a trama e o tema deste espetáculo.

Entrada de Artistas 8.8
Dramaturgia e Encenação: Roberto Merino
Autores e intérpretes: Ana Ferreira, André Ramos, Bruno Leite, Fernando Soares, Gabriela Ribeiro, Inês Araújo, Juliana Pacheco, Mara Cazcarra, Marta Correia, Rafaela Santos, Teresa Saturnino
11 e 12 de fevereiro
21h30 | M/12
Café-Concerto do CT Constantino Nery
7,50€  com a oferta de uma bebida
Reservas pelo telefone 22 939 23 20

5 a 13 de fevereiro | Beckett no THSC

A peça «Beckett: O Quê-Onde» do Teatro Plástico, para rir «perdidamente de tudo o que atormenta o ser humano», estreou, ontem, dia 5 de fevereiro, no Teatro Helena Sá e Costa (THSC), no Porto.
Três anos depois de «Catástrofe», o grupo de teatro portuense volta a dedicar uma peça a Samuel Beckett, partindo de textos de diferentes géneros e fases, pouco representados e desconhecidos do grande público, para fazer uma retrospetiva da vida e obra do escritor, Prémio Nobel da Literatura de 1969 e incontornável mestre do Teatro contemporâneo.
«Beckett: O Quê - Onde» pretende abordar o universo beckettiano na sua múltipla dimensão teatral, poética e audiovisual, recuperando os «habitantes» preferidos do seu universo: opressores e oprimidos, vagabundos e miseráveis, cegos e paralíticos, dementes e alienados. [via Newsletter do Teatro Plástico, adapt.].

Informações/Reservas: 225 189 982/3 | 986 940 982
Descontos: Estudantes, jovens e grupos

sábado, fevereiro 5

Cancro: a primeira causa de morte no mundo

Com o objectivo de lembrar que os estilos de vida saudáveis e a prevenção podem evitar até quatro em cada dez casos, assinalou-se, ontem, dia 4 de fevereiro, em mais de 80 países, sob o slogan O Cancro também pode ser prevenido, o Dia Mundial Contra o Cancro.